Aceitação como forma de mudança…

|

A aceitação da dor é o primeiro passo para suportá-la, caso contrário, o pessimismo, a impaciência e a intolerância, poderá transformá-la num fardo além de suas forças.”

 (Ivan Teorilang)

saudade

Como pedir para que alguém aceite  a sua dor, se a sua vontade é socar paredes e quebrar vidraças com a pouca força que lhe resta nas mãos?

Posso escrever a coisa mais piegas e banal do mundo, mas  se todos soubessêmos a força que tem o pensamento – acho que agiriamos mais e reclamariamos menos. Se você recebe paulada em cima de paulada – tenta consertar o que está dando errado - e mesmo assim continua recebendo mais e mais pauladas, é porque você não fez nada para mudar a situação deste a primeira paulada recebida. É como se estivesse insistindo no caminho errado. E daqui a pouco, vem mais e mais pauladas.

Essa semana conheci uma menina na seguinte situação: Classe média, fala três idiomas, morou fora do pais algumas vezes, casou, separou, casou novamente, separou novamente. Aqui no Brasil, ralou muito, casou novamente,  ficou doente, fez uma histerectomia, o marido estuprou-a enquanto se restabelecia da cirurgia - o estupro estourou seus pontos internos - ficou na CTI alguns dias. Liberada do hospital, pegou os filhos e fugiu do marido com a roupa do corpo e foi para a casa da mãe; ainda se convalecendo a mãe expulsou-a de casa (a mãe tem problemas psiquiatricos), ela pegou os três filhos e foi dormir dentro do seu carro até encontrar um cantinho pra ficar. E mesmo com todas as condições desfavoráveis, inclusive de violência, ela era só sorrisos e com um brilho que eu jamais conseguiria descrever. Aos pouquinhos a vida dela está entrando nos eixos. Ela me disse que conseguiu digerir tudo o que aconteceu com ela, mas com força suficiente para não mais aceitar que essas coisas aconteçam novamente na vida dela.

Não adianta reclamar, lamentar, filosofar em cima de erros constantemente repetidos ou das pauladas constatemente recebidas. Tem que agir.

 

5 comentários:

Natalia disse...

Que blog lindo esse aqui. E Que estória! Boa sorte à essa moça que sofreu tanto.
Concordo quando dizes que devemos agir, nunca ficarmos letárgicos diante de um problema.
E tua cunhada? Como ela está?

Juℓi Ribeiro disse...

Beth:

Você tem razão!
As atitudes falam mais do que as palavras.
Admirável a força desta menina...
Esse teu espaço é lindoooo!
Está fofíssimo.
Beijo.

Ela disse...

Existem muitas histórias de vida que nos servem de lição. Você sintetisou em uma frase.
beijo

Pedro Brand disse...

Estuprou ela mesmo ela se convalencendo de um cirurgia? Que homem animalesco. Fugir? Deve ter sido o medo de denunciar. Mas ao mesmo tempo como é fascinante ver alguém estraçalhado juntar os cacos e recomeçar.
Saber agir na hora certa, mesmo que essa hora seja a mais improvavel e inesperada.

Beijão gatosa

Adao Braga disse...

Eu choro, reclamo. Xingo e não aceito!

Postar um comentário

Se você não consegue entender o meu silêncio de nada irá adiantar as palavras, pois é no silêncio das minhas palavras que estão todos os meus maiores sentimentos.
(Oscar Wilde)